Segunda-feira, 5 de Fevereiro de 2007

"Como Eu vos amei, amai-vos também uns aos outros" (Jo 13, 14)

 
                Se perguntarmos na rua “é melhor amar ou não amar?”, provavelmente as respostas não variam muito: “é melhor amar”, “amar é bom”, “amar faz-nos bem”. Mas se a seguir perguntarmos “e o que é o amor?”, teremos quase tantas respostas diferentes quantas pessoas…
                Parece que nunca como hoje o amor foi tão enaltecido, falado, sublinhado, desejado, cantado, apresentado como a melhor coisa. Mas, provavelmente nunca como hoje, o ser humano se viu tão confuso e baralhado na hora de dizer o que é o amor.
 
                Nós sabemos! Não somos melhores que ninguém. Mas sabemos. O Senhor disse-nos o que é o verdadeiro amor. Disse e mostrou. Amou-nos. Ama-nos.
                Nós também dizemos que o amor é importante, o mais importante. Dizemos mais: com Jesus sabemos que o amor entre nós será o sinal de que somos cristãos. Mas qual amor? Sermos boas pessoas, bem comportadas? Sermos amigos dos nossos amigos? Termos interesse e simpatia por quem sofre e precisa de nós? Tudo isso pode ser importante, mas Jesus o que diz é muito mais: é como Ele nos ama que somos chamados a amar-nos uns aos outros.
                Então a primeira coisa a fazer é calarmo-nos diante do seu amor por nós, contemplar esse amor, em silêncio de adoração. Como é possível um amor assim? Só dom, só oferta, só entrega de vida até dar a própria vida. Silêncio…
 
                Deus é amor. Isso vêmo-lo em Jesus. Ele não só nos tem o amor supremo, Ele é o Amor. E é com Ele que nós vamos percebendo cada vez mais como é o amor autêntico, verdadeiro. Não o amor das novelas, não o amor mesquinho, não o amor que espera retribuição.
                Dizem-nos Amar é dar e receber. Fica bem nos postais, mas é mentira. Amar é dar, amar é dar-se. Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida pelos que ama, disse e fez Jesus. E este mandamento que nos deixa – Como Eu vos amei…amai-vos – aparece na altura em que Jesus já sabe que a sua morte estava para acontecer, aquela morte sofrida, mas ao mesmo tempo livre. Uma morte por amor, em amor, que o amor resgata, saindo vencedor para oferecer gratuitamente vida.
 
                Como é o nosso amor? Um amor pequenino, calculista – dou para que me dês. Sempre misturado com grandes doses de egoísmo, à espera do aplauso, do reconhecimento e da retribuição. Mas esse não é o verdadeiro amor, o amor digno desse nome. Só Jesus tem esse amor puro e autêntico. E nós que queremos ser seus discípulos não podemos deixar de obedecer a este mandamento, porque sabemos que assim seremos felizes.
                O que fazer? Vamos aprender de Jesus? Mas o que Ele nos disse não foi para nos aproximarmos aos poucos do seu amor, da sua forma de amar… Disse para nos amarmos como Ele nos amou. Ai de nós! Como poderemos alguma vez amar assim, na medida da cruz, deixando-nos matar, se preciso for, por aqueles a quem somos chamados a amar? Será que Jesus brinca connosco? Será que é uma forma de dizer? Será apenas poesia? NÃO! É verdade, é possível amar assim…se e só se Ele nos der o Seu amor. Se Ele puser no nosso coração o amor aos outros. Aos que são dos meus e aos que são dos outros. Aos que gostam de mim e aos que não gostam. Àqueles de quem eu gosto e aos que me são insuportáveis. Aos que me fazem bem e aos que me fazem mal. Aos amigos e aos inimigos.
                Ao longo da história quantos homens e mulheres experimentaram este amor, acolheram-no e, por isso, viveram-no com os outros! Foram chamas de amor para os outros, no serviço, no dom. Mas também hoje é possível este amor que tudo renova, que constrói e que salva. Esta Palavra é igualmente para os dias de hoje. É para qualquer um de nós. Não precisamos de estar à espera de nenhum dia especial. Hoje mesmo sou chamado a escutar esta palavra e a acreditar que Jesus tem poder para a fazer acontecer na minha vida. Melhor, só Ele pode cumprir esta palavra, só Ele tem o Espírito, Deus-Amor, que derramado nos nossos corações nos faz amar até ao fim, ou seja sempre e sem guardar nada para si próprio.
                O Deus-Amor quer fazer morada em nós! Deixemo-Lo entrar!
 
  por Pe Carlos Miguel
mensagem para o festival da canção de 2007
tags:
publicado por permanece às 19:13
link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
Sexta-feira, 26 de Janeiro de 2007

A Beleza

Como dizia o nosso Divino mestre... "Quem tiver olhos veja".
publicado por permanece às 18:57
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 24 de Janeiro de 2007

Pela VIDA

 

 

publicado por permanece às 21:59
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Terça-feira, 23 de Janeiro de 2007

"Democracia de Afectos"

Há tanto tempo que nada aqui se escrevia! Já tinha saudades! As nossas vidas às vezes são complicadas, às vezes não temos tempo, não temos inspiração, mas sobretudo, às vezes não temos paciência!!!

Comecei a pensar neste meu desleixo...e resolvi deixa-lo para trás! Afinal ainda há tanto para dizer (que é como quem diz postar)!

Não tenho nada em concreto para vos dizer... Há tantos assuntos que fervilham na minha cabeça! Basta olhar para o actual panorama nacional e ver daquilo que estou a falar: o referendo do aborto ou, ainda, a triste luta por uma inocente menina... Há tanta coisa por dizer! 

Acho que me enganei quando disse que não tinha nada de concreto para vos dizer... afinal até tenho... falem! escrevam! Nunca deixar de dizer ao mundo aquilo que sentimos e pensamos, mais do que um direito, é um dever! No fundo, é anunciarmos a Boa Nova e dizer aos outros que precisamos de uma "Democracia de Afectos"! 

publicado por permanece às 13:42
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Sábado, 11 de Novembro de 2006

O pior cego é aquele que não quer ver...

Cura dum cego de nascença

João 9, 1-41

E, passando Jesus, viu um homem cego de nascença. E os seus discípulos lhe perguntaram, dizendo: Rabi, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego? Jesus respondeu: Nem ele pecou nem seus pais; mas foi assim para que se manifestem nele as obras de Deus. Convém que eu faça as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite vem, quando ninguém pode trabalhar. Enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo. Tendo dito isto, cuspiu na terra, e com a saliva fez lodo, e untou com o lodo os olhos do cego. E disse-lhe: Vai, lava-te no tanque de Siloé (que significa o Enviado). Foi, pois, e lavou-se, e voltou vendo. Então os vizinhos, e aqueles que dantes tinham visto que era cego, diziam: Não é este aquele que estava assentado e mendigava? Uns diziam: É este. E outros: Parece-se com ele. Ele dizia: Sou eu. Diziam-lhe, pois: Como se te abriram os olhos? Ele respondeu, e disse: O homem, chamado Jesus, fez lodo, e untou-me os olhos, e disse-me: Vai ao tanque de Siloé, e lava-te. Então fui, e lavei-me, e vi. Disseram-lhe, pois: Onde está ele? Respondeu: Não sei. Levaram, pois, aos fariseus o que dantes era cego. E era sábado quando Jesus fez o lodo e lhe abriu os olhos. Tornaram, pois, também os fariseus a perguntar-lhe como vira, e ele lhes disse: Pós-me lodo sobre os olhos, lavei-me, e vejo. Então alguns dos fariseus diziam: Este homem não é de Deus, pois não guarda o sábado. Diziam outros: Como pode um homem pecador fazer tais sinais? E havia dissensão entre eles. Tornaram, pois, a dizer ao cego: Tu, que dizes daquele que te abriu os olhos? E ele respondeu: Que é profeta. Os judeus, porém, não creram que ele tivesse sido cego, e que agora visse, enquanto não chamaram os pais do que agora via. E perguntaram-lhes, dizendo: É este o vosso filho, que vós dizeis ter nascido cego? Como, pois, vê agora? Seus pais lhes responderam, e disseram: Sabemos que este é o nosso filho, e que nasceu cego; Mas como agora vê, não sabemos; ou quem lhe tenha aberto os olhos, não sabemos. Tem idade, perguntai-lho a ele mesmo; e ele falará por si mesmo. Seus pais disseram isto, porque temiam os judeus. Porquanto já os judeus tinham resolvido que, se alguém confessasse ser ele o Cristo, fosse expulso da sinagoga. Por isso é que seus pais disseram: Tem idade, perguntai-lho a ele mesmo. Chamaram, pois, pela segunda vez o homem que tinha sido cego, e disseram-lhe: Dá glória a Deus; nós sabemos que esse homem é pecador. Respondeu ele pois, e disse: Se é pecador, não sei; uma coisa sei, é que, havendo eu sido cego, agora vejo. E tornaram a dizer-lhe: Que te fez ele? Como te abriu os olhos? Respondeu-lhes: Já vo-lo disse, e não ouvistes; para que o quereis tornar a ouvir? Quereis vós porventura fazer-vos também seus discípulos? Então o injuriaram, e disseram: Discípulo dele sejas tu; nós, porém, somos discípulos de Moisés. Nós bem sabemos que Deus falou a Moisés, mas este não sabemos de onde é. O homem respondeu, e disse-lhes: Nisto, pois, está a maravilha, que vós não saibais de onde ele é, e contudo me abrisse os olhos. Ora, nós sabemos que Deus não ouve a pecadores; mas, se alguém é temente a Deus, e faz a sua vontade, a esse ouve. Desde o princípio do mundo nunca se ouviu que alguém abrisse os olhos a um cego de nascença. Se este não fosse de Deus, nada poderia fazer. Responderam eles, e disseram-lhe: Tu és nascido todo em pecados, e nos ensinas a nós? E expulsaram-no. Jesus ouviu que o tinham expulsado e, encontrando-o, disse-lhe: Crês tu no Filho de Deus? Ele respondeu, e disse: Quem é ele, Senhor, para que nele creia? E Jesus lhe disse: Tu já o tens visto, e é aquele que fala contigo. Ele disse: Creio, Senhor. E adorou-o.E disse-lhe Jesus: Eu vim a este mundo para juízo, a fim de que os que não vêem vejam, e os que vêem sejam cegos. E aqueles dos fariseus, que estavam com ele, ouvindo isto, disseram-lhe: Também nós somos cegos? Disse-lhes Jesus: Se fôsseis cegos, não teríeis pecado; mas como agora dizeis: “Vemos!”; por isso o vosso pecado permanece.

 

Ao ler estas palavras questiono-me: Porque é que o Senhor quer que os que não vêem vejam e que os que vêem sejam cegos? Parece-me uma enorme contradição! Mas vamos reflectir… Este cego era considerado um pecador, a sua cegueira sempre fora tomada como um castigo «(…) “Rabbi, quem pecou, este ou os seus pais, para que nascesse cego?”. No entanto, foi ele o meio para que se manifestasse a obra de Deus. A partir do seu exemplo entendeu-se que o encontro com Jesus é o encontro com a luz e nele é possível a salvação e a conversão, «Jesus respondeu: “Nem ele nem seus pais: mas foi assim, para se manifestarem nele as obras d’Aquele que Me enviou, enquanto é dia (…)”». O cego foi limpo, não via e, depois de encontrar Jesus, passou a ver. «Jesus disse: Enquanto estou no mundo, sou a Luz do mundo. Tendo dito isto, cuspiu na terra», de onde tudo se gera e transforma, « (…) fez lodo com a saliva e untou com ele os olhos do cego: “Vai lavar-te à piscina de Siloé. Foi, pois, lavou-se e ficou vendo.» Se tivermos em conta os pormenores desta passagem, deste milagre, podemos descobrir um significado especial na palavra “Siloé” que significa o Enviado. No meu ponto de vista, tal como Jesus foi o Enviado para ser a Luz do Mundo, para ser coração e esperança, também o cego foi enviado para, na sua humildade, mesmo pecador, ser temente a Deus e, abrindo-se à misericórdia de Jesus, ser veículo da expressão da obra de Deus.

            Na verdade, enquanto o cego se enchia de alegria, os fariseus, sabendo do milagre, correram a perguntar ao cego quem era aquele homem que o tinha curado. Repetiram a pergunta incrédulos e cheios de desconfiança. Neste aspecto penso que podemos comparar-nos aos fariseus. O percurso do ser humano é acompanhado de constantes questões… O que, de facto, é bom. Mas quantas vezes as nossas questões não se resumem a ataques? Os fariseus questionaram o cego partindo do princípio de que ele estava a mentir e de que Jesus os tinha enganado. Fecharam-se nas suas desconfianças como nós, muitas vezes, fazemos. Mais perguntas e acusações se sucederam: «Este homem não é de Deus porque não guarda o sábado», «Como pode um pecador fazer tais prodígios?», «Como é que os teus olhos se abriram?», «Onde está ele?». Pareciam todos fechados demais para poderem acreditar…Talvez por isso, Jesus quisesse que eles fossem cegos. Eles pensavam que viam mas, no fundo, não viam nada! «Se fôsseis cegos, não teríeis pecado. Mas como agora dizeis: “Vemos!” por isso, o vosso pecado permanece». Jesus queria que os que viam fossem cegos para que neles se pudesse manifestar a luz de Deus.

É certo, então, que não nos podemos cerrar nas nossas ideias e, como se fossemos vítimas de uma mentira, questionar sobre Deus, tendo em conta só os nossos pressupostos, confrontando a verdade de Cristo com o que para nós, neste mundo confuso, “não bate certo”. Podemos começar por pensar que O AMOR EXISTE! Esse não podemos questionar porque, alguma vez, já o sentimos e provocámos. Sendo assim, vamos prosseguindo como discípulos do amor de Cristo, fazendo-o presente na nossa vida, o que já nos torna Cristãos. O resto, penso eu, vem por acréscimo…

By Yo

publicado por permanece às 14:04
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
Quinta-feira, 5 de Outubro de 2006

Maravilhas (um canto lindo)

Maravilhas fez em mim, Minh'alma canta de gozo,

pois na minha pequenez se detiveram Seus olhos

e o Santo e Poderoso, espera hoje por meu sim

Minha alma canta de gozo, Maraviolhas fez em mim.

 

Maravilhas fez em mim, da alma brota meu canto

o Senhor me amou, mais que aos lírios do campo

e por Seu Espírito Santo, Ele habita hoje em mim

que não pare nunca este canto, Maravilhas fez em mim..

 

publicado por permanece às 00:54
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Segunda-feira, 18 de Setembro de 2006

PERGUNTA E RESPONDE, JÁ...

Bem, este é um espaço para cada um colocar uma pergunta e responder na sua opinião, a uma outra, porque não. Estejam atentos e sintam-se livres para perguntar e responder.

NESTE BLOG TENS MAIS UM ESPAÇO PARA TI...  

                                                                                

                                                                                          PARA NÓS...

 

 

publicado por permanece às 01:02
link do post | comentar | ver comentários (11) | favorito
Quinta-feira, 14 de Setembro de 2006

Guardamos ou aprisionamos...

Quero falarvos de uma viagem a lisboa que tive que fazer... dei comigo a olhar as pessoas que estavam comigo no metro.

Algumas delas tinham o rosto de quem prendia a vida, com medo, como se lhes tirassem a vida a qualquer momento.

Temtam prender aquilo que não lhes pertence, a única e a maior coisa que lhes foi dada,  a Vida.

Mas e ... se a guardassem, sim, à vida,como quem guarda um tesouro que lhe é oferecido. Alegrar-se-iam por o poder transportar, por poderem presenciar um tão grande mistério, e por o poder dar, nem que fosse a ver, por breves instantes.

Os Cristãos têm mais facilidade nisto... sabem porquê... porque Aquele que é a Vida já nos disse que nos ama e que não vale a pena ter medo de dar a vida, porque quem a dá recebe-O, acolhe-O, e oferece-O.

Vêm daí os seus sorrisos, as suas vidas, o seu amor.

 

Miguel Pereira

 

publicado por permanece às 14:33
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Segunda-feira, 11 de Setembro de 2006

A imagem...

Hoje falei com uma amiga que me falou de Cristo, como se Ele a habitasse, falou bem a minha amiga... Eu fiquei quieto, sem reposta... e silenciei... Era de mais... 

O meu coração ficara iluminado, porque se apercebera que era de Deus. O meu pecado vinha ao de cima, via-o com clareza... É que eu nem sempre sou de Cristo, é que eu nem sempre sou Cristo... Melhor... a imagem do rosto de Cristo que em mim foi impressa anda desfigurada.

Depois desta conversa quando olhei uma imagem de Cristo crucificado (dessas que todos nós temos em casa ou no peito), soube-me a pouco. É que ele está tão pouco alí e  tão mais em nós... A trabalhar no nosso coração, na nossa vida do dia a dia, a sofrer conosco. Uma imagem de Cristo não passa de uma imagem, uma vida de Cristo é o próprio Cristo. Quase rebentei de gozo ao saber destas maravilhas...

Miguel

publicado por permanece às 00:10
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 30 de Agosto de 2006

Vêm?!

"Estou em Fátima. Pra mais incrivel e mágico que pareça, neste lugar existe tranquilidade, tempo para pensar..."

 

Escrevi isto à quase um ano, no dia 12 de Setembro de 2005, por volta das quatro da tarde. A nossa ida a Fátima foi realmente fantástica... Aconteceu-nos de tudo! Mas neste momento recordo apenas um único sentimento: o amor que levou a uma inimaginável união! Fomos um só, não éramos simplesmente pessoas que seguem um mesmo caminho... éramos, sim, UNO. Intimamente ligados. Em comunhão com Cristo.

É na busca de outros sentimentos e experiencias "fantásticas" que este ano fazemos, novamente, uma vigília em Fátima (de 12 para 13 de Setembro)... E é aqui que surge o convite ou o "re-convite ": venham connosco! Deixem as comodidades de uma noite bem dormida ou de uma refeição majestosa .... apenas venham com a disposição de quem quer conhecer Cristo e amar muito!! Venham!!

O convite está feito... que me dizem... vêm?!

 

Vanessa Quico (kika)

publicado por permanece às 22:16
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. "Como Eu vos amei, amai-v...

. A Beleza

. Pela VIDA

. "Democracia de Afectos"

. O pior cego é aquele que ...

. Maravilhas (um canto lind...

. PERGUNTA E RESPONDE, JÁ.....

. Guardamos ou aprisionamos...

. A imagem...

. Vêm?!

.arquivos

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds